Notícias > “Toi et moi”: história de um amor extravagante

“Toi et moi”: história de um amor extravagante

De século em século os anéis de noivado da nobreza real ditaram modas e suscitaram emoções no coração dos noivos de cada geração. Um dos anéis que mais inspirou os amantes do século XIX foi sem dúvida o que Napoleão ofereceu a Josefina, toi et moi considerado ainda hoje um top de originalidade pela sua forma e significado.

Quando Napoleão Bonaparte encontrou pela primeira vez Josefina de Beauharnais em 1795, nada fazia esperar que seriam protagonistas de uma incrível história de amor. Napoleão estava de facto noivo de Desirée Clary e Josefina (cujo o marido tinha falecido durante o período de terror) encontrava-se comprometida com Paul Barras. Para além disto, Josefina era seis anos mais velha de Napoleão, era viúva e mãe de dois filhos. Os dois, nao obstante tudo, apaixonaram-se perdidamente e nem os compromissos nem as objecçoes da familia, puderam separà-los.

Para celebrar o noivado, Napoleão ofereceu a Josefina o anel toi et moi, com duas grandes pedras preciosas em forma de gota, montadas em ouro. Uma safira e um diamante.

Foi considerada uma despesa extravagante para um militar que ainda não tinha atingido o vértice imperial. O casamento realizou-se em 1796, mas a relação bem cedo se revelou complicada. Infidelidade de ambas as partes e a impossibilidade de Josefina de dar um herdeiro ao imperador, puseram fim ao casamento. Em 1810 divorciaram, ainda que o amor entre eles nunca tivesse morrido. Quando Napoleão morreu, o nome de Josefina foi a sua última palavra.

Josefina deixou o anel a sua filha Hortênsia, que em breve se tornou rainha da Holanda através do seu casamento com o irmão de Napoleão, Luís Bonaparte. Durante dois séculos o anel manteve-se na família de Bonaparte. O filho de Hortênsia, Napoleão III de França, herdou-o da sua mãe mas o seu único filho, Príncipe do Império, morreu sem descendentes e então o anel passou a Victor (sobrinho do irmão de Napoleão, Jerome Bonaparte) .

O anel foi vendido num leilão em 2013 como património de Victor e sua esposa, a princesa Clementina da Bélgica. Na imagem em cima, podem observar o anel na caixa do ourives belga Altenloh, que trabalhou para a família real da Bélgica.

Mais tarde o anel foi vendido por Osenat, uma casa de leilão francesa. Curiosamente, os leiloeiros decidiram determinar o preço do leilão do anel, baseando-se unicamente no design e nos materiais da jóia, não anunciando de propósito, a origem imperial do objecto, ainda que indícios sobre a ligação da jóia à família Bonaparte tenham sido evidenciados.

O leilão coincidiu com os 250 anos do aniversário de Josefina, seria portanto natural que fosse apresentado não como uma surpresa mas inserido nas comemorações. O preço alto inicialmente estimado era de 20.000 dólares mas foi superado em breve tempo, acabando por ser vendido por bem 950.000 dólares.
Ainda hoje o TOI ET MOI é fonte de inspiração para os mais lindos anéis de noivado.

Uma escolha sempre original.

artigo publicado por www.thecourtjeweller.com, traduzido por Catarina Marques